Fabio Pegos

Terapias na abordagem à criança com TEA e a DRC

Variadas abordagens compõem o acervo de ferramentas educativas nas tratativas ao paciente portador de transtorno do espectro autista. Dentre os modelos de intervenção mais reconhecidos estão a TEACCH, ABA, PECS e PADOVAN. Todos esses métodos em consonância objetivam ambientar, adequar e potencializar de forma intensiva os processos educativos que empoderarão a criança quanto à sua independência, relação interpessoal, aprendizagem e o desenvolvimento de suas expertises. Inquestionavelmente, o apoio familiar corrobora para o êxito no acompanhamento e comprovadamente auxilia na amenização da ansiedade e tensão. Indubitavelmente, quanto mais precocemente forem iniciadas as abordagens, melhor será o feedback da criança. Melhor será o lidar dos comportamentos de oposição e nesta perspectiva as práticas integrativas também podem auxiliar nesta abordagem.  Escolas e clínicas devem se estruturar para as demandas cada vez incidentes na sociedade e as implicações  têm requerido profissionais de perfil e capacidade técnica que possam realmente contribuir com os planos de intervenção.  No modelo TEACCH  os déficit na comunicação, são de demanda da psicolinguística. A adequação de espaços físicos e definição de rotinas corrobora para a ambientação. Já no modelo PECS a proposta é criar uma comunicação alternativa por imagens para que a aprendizagem possa ser progressiva e paulatina, tendo um caráter mais  facilitado. Quanto ao modelo PADOVAN propõe a reeducação neurofuncional ou do neurodesenvolvimento, o foco é a reorganização neurológica.  Nesta perspectiva, creio ser muito salutar e congruente que tais especificidades técnicas igualmente devem influenciar a operacionalização da terapia dialítica em pacientes do transtorno do espectro autista, como por exemplo as estereotipias motoras por ansiedade frente à sessão de hemodiálise ou episódios de agitação, dentre outros.  Como entender e aceitar os regramentos da clínica, as limitações e as adequações alimentares, são alguns dos aspectos a serem considerados. Sem sombra de dúvidas a presença do familiar, a musicoterapia, as práticas integrativas, a equipe multiprofissional e todos os demais métodos citados anteriormente são de fundamental importância para que o manejo da criança autista com doença renal seja atendida adequadamente. Todavia, o retrato situacional da terapia renal substitutiva em crianças com doença renal crônica na Bahia é delicado, pois dispomos apenas de uma unidade dialítica especializada e de referência que realiza  sessões de hemodiálise convencional em crianças no Estado. 

Banner de propaganda da agência de sites GR3 WEB

About author

Articles

PORTALBELMONTE é um portal de notícias de Belmonte e região com mais de 20 anos de credibilidade trazemos sempre o que acontece de mais relevante para você. Telefones: (73)99954-2314 Endereço: Travessa Santo Antonio, 13 - Barrolândia - Belmonte - BA
Related posts
Fabio Pegos

A diálise peritoneal automatizada no tratamento da lesão renal aguda

Share on Facebook Share …
Read more
Fabio Pegos

A diálise peritoneal no comprometimento renal agudo

Share on Facebook Share …
Read more
Fabio Pegos

O enxerto na terapia renal

Share on Facebook Share …
Read more
Newsletter
Cadastre seu e-mail

Cadastre seu e-mail e receba nosso conteúdo exclusivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CleverNT: 58242 Visits Devices Code Obs Start: 2022-04-01 End: 2022-04-30 Copy the code. Paste it on the source code of your website, near the bottom, just before ex: same way you insert the google analytics script/code In case you're using banners, you also need to add the Tag: