BK2

Os baianos fizeram a festa no Ouro na madrugada deste sábado em Tóquio.

Foto: Ronne Roriz/ Wander Roberto/ ambos COB

A madrugada olímpica brasileira entre a sexta-feira (6) e este sábado foi baiana. Isaquias Queiroz, na classe C 1000 da canoagem, e Hebert Conceição, no peso médio do boxe, conquistaram a medalha de ouro. Os resultados deixaram o país com seis medalhas de ouro, a uma de igualar as sete conquistadas na Rio 2016.

O país ainda está na final do futebol masculino, do vôlei feminino e do boxe, com Bia Ferreira. No vôlei masculino, o time do técnico Renan Dal Zotto perdeu para a Argentina a decisão do bronze. No momento, o Brasil tem seis medalhas de ouro, quatro de prata e oito de bronze, superando o total de pódios dos jogos do Rio de Janeiro, quando acumulou 19 medalhistas.

Com três pódios cinco anos atrás, Isaquias Queiroz afirmou que “vomitaria sangue” pelo ouro no Japão. Não precisou tanto. O atleta de Ubaitaba venceu as três provas – eliminatórias, semi e final – e foi para o lugar mais alto do pódio com autoridade. “Dedico a quem perdeu entes queridos”, afirmou Isaquias, em referência à Covid-19.

Hebert Conceição venceu o peso médio (até 75kg) ao nocautear o ucraniano Oleksandr Khyzhniak o terceiro round, a 1min29 do fim, com um cruzado certeiro

“Foi surpresa para muita gente, mas não para mim. É uma gratidão representar o meu país e a Bahia”, disse o campeão que subiu ao ringue, mais uma vez, ao som de Madiba, do Olodum.


Mais um ouro para o Brasil: o baiano Hebert Conceição nocauteia ucraniano e é campeão olímpico
O brasileiro Hebert Conceição conquistou, neste sábado, a medalha de ouro na categoria até 75kg do boxe. Ele venceu a decisão do ouro contra ucraniano Oleksandr Khyzniak, campeão mundial de 2017, por nocaute no terceiro assalto. O brasileiro perdeu os dois primeiros rounds, mas conseguiu derrubar o rival no terceiro para garantir o título.
Na campanha, Hebert passou nas oitavas de final, derrotou o chinês Tuohetaerbieke Tanglatihan por 3 a 2, em decisão dividida dos árbitros. Nas quartas, enfrentou o cazaque Abilkhan Amankul, prata no Campeonato Mundial de 2017 e vice-campeão asiático, e passou por 3 a 2. Na semifinal, o adversário foi o russo Gleb Bakshi, campeão mundial de 2019, e novo triunfo verde-amarelo.
Hebert chegou como um dos candidatos ao pódio na competição. Cabeça de chave número 3, tinha sido bronze no Campeonato Mundial de 2019 e prata nos Jogos Pan-Americanos do mesmo ano, em Lima, no Peru.
O ucraniano começou com um volume maior de luta, mas Hebert conseguiu encaixar dois bons golpes no primeiro minuto. Oleksandr dava mais socos, enquanto brasileiro, quando tentava os golpes, acertava bem o rival. No fim, os cinco árbitros deram vitória para o ucraniano, que realmente foi mais agressivo.
Na segunda parcial, o ucraniano seguiu melhor, apesar de, novamente, o brasileiro ter conseguindo encaixar dois bons golpes. O combate seguiu bem truncado, mas com o volume apresentado no começo do round, o ucraniano venceu de novo na opinião dos cinco árbitros.
Já atrás na decisão, todos os juízes já davam 20 a 18 para o ucraniano, a única opção de Hebert para vencer a luta era ir para cima e tentar ou o nocaute, ou uma vitória tão convincente, que os juízes dessem 10 a 8 no placar no assalto. E foi o que o brasileiro fez, conseguiu um lindo golpe que levou o ucraniano ao chão.

Sair da versão mobile