Minas Gerais

Minas Gerais se aproxima da marca de 7 mil mortes pela Covid-19

MG – O Estado de Minas Gerais se aproxima a cada dia da marca de sete mil mortes ocorridas em função de complicações do novo coronavírus. Entre quarta-feira (23) e esta manhã de quinta-feira (24), mais 86 mortes receberam confirmação pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), e, com o acréscimo, está em 6.983 o número de óbitos ocorridos em 583 municípios mineiros.

A maior parte destas vítimas da infecção são maiores de 60 anos, e a doença não acomete tanto de forma fatal os mineiros menores de 19 anos – são 21 mortes entre as quase sete mil ocorridas nesta faixa etária. O balanço epidemiológico publicado nesta quinta-feira destaca que em 75% das mortes houve a constatação de comorbidades anteriores como pneumopatias, diabetes e, principalmente, doenças do coração. A taxa de letalidade em Minas Gerais para a Covid-19 está em 2,5%.

Outra estatística revelada pelo levantamento refere-se à quantidade de cidades que ainda não têm casos do novo coronavírus. Caiu de oito para sete nesta quarta-feira (24) o número de municípios que se enquadram neste cenário. Apenas sete cidades permanecem imunes à pandemia, significa que a doença atinge atualmente 99,1% dos municípios mineiros – um total de 846 ou menos de 0,8% dos municípios não têm casos. Aliás, chegou a 278.901 o número referente à quantidade de casos acumulados – que são aqueles registrados em Minas Gerais desde o mês de março quando houve a primeira confirmação.

Cerca de 2.500 destes entraram para a lista somente nas últimas 24 horas, confirmados entre quarta e esta quinta. Apenas nos últimos cinco dias, contados a partir de domingo, foram registrados novos 10.892 pela Secretaria de Estado de Saúde. Segundo o órgão, apesar desta expansão, são 26.917 os casos que ainda estão sob acompanhamento, enquanto os demais que superam 245 mil são dados como recuperados. Sabe-se também que cerca de 27.900 dos mineiros infectados com o vírus necessitaram de internação hospitalar nas redes pública ou privada para tratamento da doença.

Em coletiva na tarde dessa quarta-feira (23), o chefe de gabinete da SES-MG, João Pinho, destacou que os indicadores relacionados à demanda por hospitalizações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) representam bem o atual cenário da pandemia do novo coronavírus em Minas Gerais. Ele acredita que o Estado esteja vivendo um momento de “estabilização com viés de descida”.

Apesar dos indicadores apontarem um aumento superior a 1.700% na demanda por internações por SRAG se comparadas as semanas epidemiológicas de 2019 e 2020, agora estes números estão em aparente queda, como defende Pinho. “Nós temos uma tendência de diminuição dessas hospitalizações. Este dado (de hospitalizações por SRAG) tem uma defasagem bem menor que o de óbitos. É, portanto, mais próximo da realidade”, comentou ele ao referir-se a uma queda ‘real’ na quantidade de casos ligados à pandemia.

Related posts
Minas Gerais

Canal vai levar água do Rio São Francisco para 42 municípios

Bolsonaro participa cerimônia de conclusão de obra no sertão alagoano O Canal do Sertão…
Read more
Minas Gerais

Norte de Minas – Ontem foi celebrado o Dia da Banana, importante fonte de renda no Norte de Minas

Norte de Minas –Prata, Caturra (Nanica), Terra, Ouro, Maçã. A lista com os tipos de…
Read more
Minas Gerais

Corpo de bombeiros de Salina MG atende ocorrência de resgate de animal silvestre

Uma guarnição do 8º Pelotão de Bombeiros sediado em Salinas/MG deslocou às 07h58min desta data…
Read more
Newsletter
Cadastre seu e-mail

Sign up for Davenport’s Daily Digest and get the best of Davenport, tailored for you.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *