BK2

Censura oficial na Polícia Civil da Bahia

A cúpula da Polícia Civil impôs uma rigorosa censura no uso das redes sociais e aplicativos para todos os integrantes da corporação, com uma série de proibições.

Segundo a coluna Satélite do jornal Correio, a instrução normativa publicada pela delegada-geral, Heloísa Brito, estabelece regras que restringem até mesmo o linguajar utilizado nas postagens e vetam o compartilhamento de notícias não submetidas ao crivo do setor de comunicação da polícia.

Traz também dispositivos que impedem condutas vedadas pela legislação – tais como expor imagens de vítimas, testemunhas, investigados ou sob custódia da Civil e divulgar opinião com conteúdo fake, difamatório ou preconceituoso.

Opinião pessoal vedada

A ‘mordaça’ torna expressamente proibido emitir “opinião de cunho pessoal que possa ser interpretada como posição oficial da Polícia Civil” e manifestações de caráter particular que, “mesmo relacionadas a fato estranho ao serviço policial, afetem a dignidade da função”.

A instrução normativa considera redes todos os sites da internet, plataformas digitais, aplicativos de computador ou de dispositivo eletrônico móvel, “voltados à interação pública e social, que possibilitem a comunicação, a criação ou o compartilhamento de mensagens, de arquivos ou de informações de qualquer natureza”.

Vigilância

Ainda de acordo com a Satélite, a delegada-geral escalou o Departamento de Inteligência da Civil para monitorar de forma constante os perfis dos policiais e demais ferramentas digitais, além de informar aos superiores, à Corregedoria e ao gabinete da própria Heloisa Brito eventuais descumprimentos das normas. Ao mesmo tempo, foi determinado prazo de um mês para que todos ajustem suas postagens às novas regras. 

Excluindo das regras policiais em exercício do mandato eletivo, elas se aplicam àqueles com pretensões políticas para as próximas eleições.

Com informações da coluna Satélite / Correio da Bahia

Sair da versão mobile