Política
Publicada em 07 de Fevereiro de 2018 ás 16:32:05

Condenação de Lula é oficializada; defesa tem 12 dias para recorrer

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) publicou, nesta terça-feira (6), a decisão que confirmou a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na ação penal envolvendo o tríplex no Guarujá (SP). O petista foi condenado a 12 anos e um mês de prisão.

Agora, a defesa de Lula terá, após ser intimada, dois dias para entrar com o último recurso na segunda instância, os chamados embargos de declaração.
 
Nesta fase, os advogados devem levantar pontos da decisão que considerem obscuros ou incoerentes. A intimação pode levar até dez dias, o que estende o prazo para recurso para até 12 dias. 
 
A tendência é que o recurso seja rejeitado. Se for este o caso, seguindo o último entendimento do STF, a pena do ex-presidente será executada e o líder petista poderá ser preso.
 
Os advogados do ex-presidente, entretanto, já recorreram Supremo Tribunal Federal (STF)  para suspender preventivamente a prisão. 
 
Execução da pena
O cumprimento da pena e a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, mesmo cabendo recurso aos tribunais superiores, foi prevista em decisão colegiada do STF de 2016.
 
Leia também: Parada há 14 anos no STF, investigação contra Jucá é arquivada
 
Na época, o plenário da Corte rejeitou as ações protocoladas pela Ordem dos Advogados do Brasil ( OAB ) e pelo Partido Ecológico Nacional (PEN) para que as prisões ocorressem apenas após o fim de todos os recursos, com o trânsito em julgado.
 
Após a votação, contudo, uma tragédia alterou a composição da Corte: o ministro Teori Zavascki morreu em um acidente de avião, sendo substituído por Alexandre de Moraes.
 
Além disso, cresceram as divergências sobre o tema dentro do tribunal. Ministros do STF, como Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, já declararam que a prisão deve ocorrer apenas no fim dos recursos no Superior Tribunal de Justiça (STJ).
 
Já Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e a presidente, Cármen Lúcia, são a favor do cumprimento após a segunda instância.
 
A presidente da Corte, contudo, afirmou que o caso de Lula não a motiva a colocar a questão em votação no plenário novamente.
 

Redação BK2 cominformações do ig

 
Publicada em 07 de Fevereiro de 2018 ás 16:32:05
Outras Notícias de Política
21 de Fevereiro de 2018 ás 20:17:26
21 de Fevereiro de 2018 ás 11:44:41
20 de Fevereiro de 2018 ás 19:25:46
14 de Dezembro de 2017 ás 09:45:39
24 de Novembro de 2017 ás 09:45:06
Big Brother Brasil
Cidades
Música
Empregos e Concursos
Economia
Carnaval
Natal
Copa 2014
Olimpíadas 2016
Mundo Rock
São João da Bahia
Radar
Mundo Gospel
Quentura
Jogos BK2
Cursos 24 horas
 
Jogue Grátis
Cursos 24 horas
Compras On-line