Brasil Tambor
Por Lindiomar Cerqueira

Publicada em 29 de Março de 2017 ás 20:32:47

SenSe Bulir vai mexer com você

Vendo essa mensagem agora

Desejei ter você lá fora
Tocando a campainha pra entrar

Às vezes bem mais que um desejo
Uma mancha de suco
Um gracejo
Deixa a gente pra lá de Irará
Você não virá

Não queria essa tua ousadia
Me bastava dormir de conchinha
Pouco importa se alguém vai roncar

Desconheço se está empolgada
Ou até impossibilitada
Não foi pra isso
Que eu mandei te chamar

Ás vezes a gente só quer
Um lugar, um alguém
E um simples cafuné

Ás vezes a gente nem quer
Saber direiro o que quer
Apenas quer
 
Isto é SenSe Bulir, título de um maravilhoso disco que tive o prazer de ouvir. O CD é repleto de canções preciosas. Esta canção que postei a letra chama-se “Apenas Quer”, uma baladinha suava, daquelas que você gosta de ouvir quando acorda e quando está voltando pra casa em meio a um engarrafamento.
 
Fala de coisas simples, mas com uma mensagem rica em detalhes. Quem nunca quis dormir de conchinha? Quem nunca sentiu vontade de que seu grande amor bata em sua porta ou quem nunca dormiu com um cafuné? 
 
Lindas canções compõem o disco. O cantor e compositor Roberto Kuelho, co-produziu e interpretou as 10 canções, contando com as participações de Djalma Ferreira na canção “A caça de um Sol”, enriquecendo-a com sua bela interpretação e nos fazendo fortemente lembrar do Barão Vermelho de Frejat.
 
A segunda participação é da bela cantora Talitha Costa que, com sua voz suave, interpretou maravilhosamente a canção “ Rosa de Uma Rua Atoa”, um sambinha delicioso onde o pandeiro e o violão deram mais brilho e prazer em ouvir, num casamento perto das vozes.
 
Mesmo sendo um disco de MPB, kuelho surfou por vários estilos, com a canção “Bem no Auge” nos lembra a música brega paraense de Wanderley Andrade e do rock dos Engenheiros do Hawaii.  
 
Com a canção “Encaracolado” viajou nos frevos de Caetano nos anos 70, onde brincou com a guitarra e a caixa dos antigos trios elétricos. Muito bom de ouvir.
 
O CD está repleto de belas canções. Aconselho a todos que gostam de boa música, a parar um tempinho e ouvir este disco, garanto que você não vai ficar SemSeBulir.
 

Por Lindiomar Cerqueira

O BK2 não se responsabiliza pelos comentários emitidos pelos BLOGUEIROS. As opiniões, conclusões e afirmações não manifestam a opinião do portal BK2.


Publicada em 06 de Junho de 2016 ás 09:32:56

Sofrência Universitária

Sofrência é um neologismo da língua portuguesa, formado a partir da junção das palavras "sofrimento" e "carência", e possui um significado similar ao da expressão popular "dor de cotovelo". 
 
A "Sofrência" pode ser entendida como um estado de espírito, quando alguém se sente desiludido e triste, seja por causa de um amor não correspondido, uma decepção amorosa, traição e etc. 
 
No mundo da música, a "Sofrência" é a canção que fala sobre as decepções afetivas ou ciúmes exagerados de um amor que não é correspondido. A Sofrência ainda pode significar o ato de sofrer continuamente, de maneira depressiva e lastimável. 
 
A palavra Sofrência não consta no Aurélio, mas nos últimos meses é a palavra mais citada e ouvida no meio musical, A Sofrência não é nada mais do que uma denominação a um tipo de música com apelos sentimentais.
 
Este termo ganhou notoriedade nacional graças ao cantor baiano Pablo, mais conhecido como "o rei do arrocha". Não demorou muito para que as músicas feitas pelo artista fossem associadas à "Sofrência",
 
Mas já existe um outro segmento do Arrocha que é a Sofrência Universitária, surgindo assim um novo gênero musical no Brasil, que mistura o ritmo do Sertanejo Universitário, do Arrocha Baiano e a música Brega de Pernambuco. 
 
A Sofrência Universitária,  foi inicialmente gravada por grandes nomes do Sertanejo Universitário  como, Israel Novaes, Cristiano Araújo, Michel Teló, Gusttavo Lima, Deyvid e Emanuel, e  por estrelas do Arrocha baiano como, Tayrone Cigano, Cinho Silva, Thierry, Allex Rocha, Osnir Alves entre outros.
 

Segundo Alex Rocha, que vem despontando na região Norte com sua Sofrência Universitária, ele optou pelo estilo porque ouvia muitas reclamações dos fãs, de que a um certo momento o show ficava monótono. Já com a mudança de estilo, as pessoas cantam e dançam todo o tempo do show, pois as músicas têm um balanço pra frente, mas continuam falando de amor. Vários artistas já estão introduzindo em seus shows o estilo Sofrência Universitária. Não sabemos aonde pode chegar, mas o certo é que enquanto houver amor a Sofrência nunca deixará de existir. 

Por Lindiomar Cerqueira

O BK2 não se responsabiliza pelos comentários emitidos pelos BLOGUEIROS. As opiniões, conclusões e afirmações não manifestam a opinião do portal BK2.


Publicada em 28 de Dezembro de 2014 ás 08:54:51

Matéria prima desprezada

O que é música baiana e o que é Axé Music? Fora da Bahia as pessoas pensam que é a mesma coisa, mas na verdade a música baiana é composta de muitos estilos. Temos o Axé, o Samba (que foi o inicio de nossa música, através de Donga que compôs o primeiro samba, “Pelo telefone”) e temos o Afro (Olodum, Ilê Ayê...), que é uma expressão da cultura negra que espalhou-se pelo Brasil. Nós temos também o Samba Duro, que alguns insistem em chamar de Pagode, temos o Samba de Roda (Terra Samba e É o Tchan) temos o Arrocha (Pablo, Silvano Salles, Nara Costa, Asas Livres) e temos a nova Arrochadeira (Luxúria, Kuarto de Empregada, Gasparzinho, Neto Lx, Latitude 10 e Trio da Huanna). Temos ainda o Forró Pé de Serra do Trio Nordestino, Kinka dos 8 Baixos, Adelmário Coelho, Zelito Miranda e outros tantos, mas o que divulgou a nossa cultura musical para o mundo foi o Axé Music, que após quase 35 anos passa por uma crise de identidade.

A mídia confunde o lançamento do LP "Magia" de Luis Caldas em 1984 com o nascimento do Axé Music, que antes era chamada de música baiana. Em 1981, o Trio e Banda Tapajós lançou o LP "Jubileu de Prata", comemorando 25 anos do Trio Tapajós, e em 1983 Chiclete com Banana e Trás os Montes lançaram um LP com grandes sucessos, só que em 1975 Moraes Moreira, pós novos baianos, cantou pela primeira vez em um Trio Elétrico, “Trio Dodô & Osmar”. A partir daí nascia a música baiana de carnaval, que mais tarde o jornalista Agamenon Brito, querendo usar um termo "pejorativo" batizou de Axé Music. Já tivemos anos de glórias, assim como teve o Samba, o Forró, a MPB, o Rock. Estamos passando por um momento de arrumação da casa, um movimento de rua não morre, apenas segue outros caminhos.

As nossas  estrelas continuam figurando entre os grandes, mas isto é muito pouco para quem por anos foi o Rei da festa. Já ouvi muito "blá, blá, blá" sobre o real motivo da crise do Axé Music, crise esta causada pelas estrelas que jogaram fora as sandálias da humildade no momento em que desprezaram a principal fonte do sucessos que são os compositores. Hoje as estrelas nem os recebem, estes que foram a causa principal do sucesso da nossa música. Todos os grandes artistas têm hoje uma equipe que os cercam, na sua maioria são pessoas que visam dinheiro e não qualidade. São eles que recebem as músicas em CDs, fazem uma "peneira" e só chega na mão dos artistas aquelas que eles levam algum tipo de vantangem. Podem pegar os encartes de CDs e vejam o nome dos compositores. Em sua maioria, têm compositores em parceria com o verdadeiro dono da obra que nem sabem o que é uma nota musical, simplesmente colocam o nome na parceira para poder ganhar algum.

Tem "uma certa banda de pagode" que o empresário aparece como compositor em diversas músicas, mas se você pedir para que ele componha  duas frases de uma música , ele jamais fará. A crise do Axé está sendo causada por falta de músicas de sucesso. Independente de ser considerado bom ou ruim, o arrocha de Pablo tomou conta do Brasil, assim como a Arrochadeira do Gasparzinho, Luxuria, Kit Ilusão e Neto Lx, todos com músicas na boca do povo. Estas bandas estão parando para ouvir os compositores. 

No começo do Axé Music, os artistas desciam ladeiras, entravam em vielas que precisavam passar de lado, sentavam em porta de butecos com os compositores, e lá eles ouviam as músicas direto da fonte. Hoje, estes mesmos compositores nem têm acesso aos luxuosos escritórios das estrelas. O artista passa um ano inteiro lucrando com o sucesso de uma canção e não dispõe de uma semana para ouvir pessoalmente os autores para seu próximo trabalho. 
 
A música sertaneja, que hoje domina a cena musical brasileira, está importando os compositores baianos desprezados por nossas estrelas. Os maiores sucessos do sertanejos são de compositores baianos: "Aí se eu te pego", gravado por Michel Teló, é composição de dois baianos, Antonio Dygs (Feira de Santana) e Sharon Acioly (Porto Seguro), "Domingo de Manhã" e outras mais é composta por Bruno Caliman (Itamarajú), "Balada", o grande sucesso de Gustavo Lima é de Cássio Sampaio (Feira de Santana) e, igual a estes que citei, existem dezenas. 
 
E porque nenhuma banda de Axé gravou estes compositores? Porque eles não conseguem ter acesso as estrelas. Compor é um dom dado por Deus, não se fabrica um compositor. Dom é uma das poucas coisas que a grana não pode comprar e algumas das nossas estrelas insistem em querer gravar as porcarias que compõem. Se liguem artistas da Bahia, desçam do salto e respeitem os compositores, porque do jeito que vai, daqui a uns dias, eles é quem não vão querer que vocês gravem as composições deles.

Por Lindiomar Cerqueira

O BK2 não se responsabiliza pelos comentários emitidos pelos BLOGUEIROS. As opiniões, conclusões e afirmações não manifestam a opinião do portal BK2.


Outras postagens de Lindiomar Cerqueira
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Big Brother Brasil
Cidades
Música
Empregos e Concursos
Economia
Carnaval
Natal
Copa 2014
Olimpíadas 2016
Mundo Rock
São João da Bahia
Radar
Mundo Gospel
Quentura
Jogos BK2
Cursos 24 horas
 
Jogue Grátis
Cursos 24 horas
Compras On-line