Escritos Sem Rótulos
Por Elis Franco

Publicada em 23 de Junho de 2017 ás 13:02:30

Cabeça bem-feita

A Era tecnológica trouxe-nos, entre outras coisas, a capacidade de acessarmos, através da internet, a uma quantidade imensa de informações relevantes ou não, em uma velocidade acelerada, exigindo de nós um esforço enorme para nos mantermos atualizados diante dos saberes produzidos pelas diferentes áreas do conhecimento, caso contrário, seremos denominados de arcaicos, obsoletos. Mas será que uma cabeça bem cheia é sinônimo de sabedoria?
 
O filósofo Edgar Morin, em A cabeça bem-feita, leva-nos a refletir sobre a inutilidade do acúmulo de informações e convida-nos a ter uma cabeça bem-feita, “apta a organizar os conhecimentos e, com isso, evitar sua acumulação estéril”. E quando é mesmo que o que eu conheço torna-se estéril? Certamente quando nós não sabemos dar sentido aos dados que possuímos, quando não somos capazes de compreender a complexidade das relações humanas e operar sobre elas.
 
Quando penso em cabeça bem-feita, imagino alguém capaz de não enxergar o mundo apenas como “isso ou aquilo”, mas que perceba a gama de possibilidades que podem existir e deixar de existir em determinados contextos. Penso em alguém  se “maieutificando” e não expurgando uma retórica vazia. Afinal, é sempre bom nos perguntarmos se somos capazes de defender, através de argumentos convincentes, as nossas crenças diárias.
 
Ter a cabeça bem-feita é estar aberto à reflexão. É dotar-se de sensibilidade diante do outro, diante do planeta e seus dilemas. É enxergar-se como alguém em construção e, por isso mesmo, suscetível ao erro, no entanto, consciente de que o que nos faz humanos é justamente a capacidade de mudar a rota quanto ela é autodestrutiva. Além disso, é ser capaz de compreender que, para além do que sou,  há milhões de pessoas também sendo.
 
Não são os vários livros lidos, documentários e filmes assistidos que nos conduzirão a uma cabeça bem-feita, mas o modo como lidamos com todo esse acervo de conhecimento. Cada coisa que eu sei precisa ser posta em contato com a vida em seu caráter mutável e complexo. Cada coisa que eu sei deve transformar-se em força geradora de análise e ação críticas. Se assim não ocorrer, precisamos dizer como Renê Daumal: “Sei tudo, mas não compreendo nada”.

 

Elis Franco é graduada em Letras Vernáculas, Especialista em Estudos Literários e Mestra em Literatura e Diversidade Cultural, todas as formações pela Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS. Conheça seu blog.

Por Elis Franco

O BK2 não se responsabiliza pelos comentários emitidos pelos BLOGUEIROS. As opiniões, conclusões e afirmações não manifestam a opinião do portal BK2.


Outras postagens de Elis Franco
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Big Brother Brasil
Cidades
Música
Empregos e Concursos
Economia
Carnaval
Natal
Copa 2014
Olimpíadas 2016
Mundo Rock
São João da Bahia
Radar
Mundo Gospel
Quentura
Jogos BK2
Cursos 24 horas
 
Jogue Grátis
Cursos 24 horas
Compras On-line